In English

Abertura | Encerramento

CERIMÔNIA DE ENCERRAMENTO | PREMIAÇÃO

14/06
20h – Teatro Guairinha
Premiação dos filmes
Pocket show de Íria Braga
Entrada Franca

 

FILME DE ABERTURA

aguirreNo dia 06 de junho de 2013 será a abertura da segunda edição do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba. E em celebração ao Ano da Alemanha no Brasil vamos exibir o filme Aguirre – A Cólera dos Deuses, de Werner Herzog, às 19h30, em três salas do Espaço Itaú de Cinema (Shopping Crystal). A entrada para essa sessão é franca e os ingressos podem ser retirados no dia da exibição a partir das 14h.

Apresentação do filme por Nikola Matevski

Aguirre, a Cólera de Deus é inspirado nas anotações de um ambicioso padre dominicano, Frei Gaspar de Carvajal, que em 1540 percorreu o caminho entre a cidade de Quito e a foz do rio Amazonas numa expedição. A versão de Wrener Herzog, no entanto, é uma livre adaptação que se passa em 1561 e narra a trajetória de uma expedição equivalente comandada por Lope de Aguirre e Dom Pedro de Urzua. O que interessa a Herzog não é a História em sua dimensão épica, mas a miudeza relações humanas no seio de uma coletividade isolada da civilização e cercada pelo desconhecido. Por isso, no lugar de um historicismo que atinge a verossimilhança pela reconstituição naturalista, busca-se de autenticidade do real por um mergulho visceral na natureza. Extrai-se o máximo de todas as suas dificuldades de produção que, dos rompantes furiosos de Klaus Kinski aos acidentes com as jangadas e falta de comida no set, alimentam infinitas anedotas dos bastidores. Mas, esqueçam-se as fofocas: a abordagem de Herzog permite uma crueza de registro que destitui a narrativa e os personagens de qualquer grandeza romântica enquanto os submete às forças imponderáveis da natureza. Por um lado, o  alongamento da montagem proporciona autonomia a certo planos, que deixam de cumprir função essencialmente narrativa, provocando uma deforntação com o real (a água do rio que se revolve infinitamente, por exemplo). Por outro, esta visceralidade ganha contraponto no trabalho dos atores e na encenação, cuidadosamente elaborados ao longo do filme, especialmente na presença física de Klaus Kinski (o rosto domado por um olhar demente e a movimentação assimétrica e estilizada do corpo que sugerem a natureza de um inseto ou animal selvagem). Incluindo a participação de Ruy Guerra (Os Cafajestes, 1982) no papel de Don Pedro de Ursua, Herzog, por fim, apresenta uma visão crítica da História ao opor a ganância dos esforços civilizatórios a um mundo natural que, longe de qualquer idílio, é uma presença profundamente misteriosa e imponderável.

06/06
19h30 Itaú 1, 2 e 3
Aguirre, a cólera dos deuses
Werner Herzog
Alemanha | 1972 | DCP | Cor | 93’ | Ficção
Legenda: Português
Entrada Franca